Una musica dolce suonava…: memória e nomadismo na canção ítalo-paulistana

Esta nova investigação pretende abordar um novo grupo de canções, de origem italiana e sua presença e suas repercussões junto à comunidade de imigrantes italianos, ítalo-descendentes, na capital paulista. Reitere-se, aqui, o ponto de partida: o conceito de “canção das mídias” (Valente, 2003) como elemento ativo e de forte presença na cultura. Em sua transformação contínua, ou “nomadismo”, no dizer de Paul Zumthor (1997), a canção expressa, informa, corrobora, apresenta traços da cultura da qual faz referência e à qual se vincula. Tendo como base inicial o repertório discográfico difundido em programas de rádio selecionados, além de depoimentos de pessoas, pretende-se analisar aspectos tais como:

  1. as relações entre audiência e memória, a partir do repertório executado nos programas radiofônicos;
  2. o impacto da permanência de artistas divulgadores da canção de origem italiana e o surgimento de vertentes ítalo-brasileiras, nas mídias locais;
  3. as canções tradicionais, de origem italiana, como elemento constituinte das histórias de vida e do cotidiano do italiano imigrante no Brasil, sobretudo na cidade de São Paulo;
  4. que repertório da música italiana foi incorporado à paisagem sonora paulistana, paulista e em outras regiões, por intermédio do rádio e, posteriormente, da televisão?

Resultados: propõem-se, dentre outros possíveis:

  1. um livro, contendo, em seus capítulos, textos dos pesquisadores envolvidos com a pesquisa;
  2. um vídeo-documentário, contendo depoimentos de memorialistas, artistas, produtores musicais, radialistas, críticos musicais e outras pessoas, recriando a paisagem sonora paulistana, desde a década de 1930;
  3. a de criação de banco de dados contendo a discografia mais representativa das canções de origem italiana, no Brasil, de modo a compreender os critérios de gostos estético e imaginário, pela comunidade de ouvintes paulistanos;
  4. a promoção de um encontro científico, cujos resultados finais serão publicados em livro ou número especial de revista especializada e, à medida do possível;
  5. programa de rádio, com a duração de 50 minutos;
  6. um recital artístico, tendo como repertório canções italianas presentes na paisagem sonora paulistana, a partir de 1930.

A música italiana na memória coletiva da imigração paulistana
Valéria Barbosa de Magalhães

Al di lá del mare più profondo, Una musica dolce suonava soltanto per me: memória e nomadismo na canção ítalo-brasileira
Heloísa de A. Duarte Valente

Rádio que parla d´amore: memórias do amor romântico e de um país imaginário
Mônica Rebecca F. Nunes

Una musica dolce suonava…: A música (de) italiana(s) e seus percursos na mídia 
Ricardo Santhiago Arriverdi

Roma! Memória musical nos programas de rádio 
Marta de Oliveira Fonterrada

Con te partirò paesi che non ho mai veduto adesso sì li vedrò… Mundialização e territorialização da canção italiana, pela colônia ítalo-paulistana.
Márcia Regina Tosta Dias

Una voce poco fa… Retratos dos cantores líricos da Rádio Gazeta de São Paulo 
Juliana Marília Coli

DOCUMENTÁRIO
O sole mio! Memória da canção ítalo-brasileira na “terra da garoa” 

Heloísa de A. Duarte Valente e Pedro Miguez (direção)

Roteiro, entrevistas, sonoplastia: Marta Fonterrada, Mônica R. F. Nunes, Heloísa Valente