Apresentação

11encontroEscolhemos a letra de Vereda tropical, muito conhecida obra de Gonzalo Curiel (1904-1958), traduzida em vários idiomas, como motivação para um período de três dias intensos de debates, apresentação de pesquisas e obras artísticas. Propõe-se uma imersão na cultura que veio dos países de língua castelhana, sobretudo na América Latina e suas conexões com o Brasil.. Como ponto de partida, recuamos às décadas de 1940-50, quando as mídias já se haviam estabelecido no mundo e já criado linguagens específicas, gostos estéticos e hábitos de consumo desses produtos.

A música figura como um dos pontos centrais deste estudo. Em se tratando de linguagem presente no cotidiano da época verifica-se que, a despeito de uma sisuda recriminação da intelligentsia daquela época, que julgava certos segmentos do repertório transmitidos nas estações de rádio e comercializados em disco como “influências deletérias na musicalidade brasileira”, estes signos que chegaram dos países de língua castelhana, dentre os quais se incluem o bolero, a rumba, estabeleceram-se, por muito mais de uma década e, mesmo após perderem sua hegemonia, continuaram presentes, ganhando novo alento na última década do século XX.

Por essa e outras razões, o tema do 11º Encontro convida a comunidade acadêmica e artística para estudar as múltiplas conexões que se estabelecem entre as culturas dos países de língua castelhana, nas Américas – especialmente a América Latina e o Brasil, tanto no passado como no presente, de maneira a revelar aspectos particulares de suas matrizes culturais, abrindo-se para o entendimento destas pontes ou hibridismos culturais em variados momentos históricos, tanto em suas matrizes culturais como também em momentos recentes ou contemporâneos.

O 11º Encontro de Música e Mídia convida todos os interessados para compartilhar dos debates que ocorrerão ao longo dos três dias, durante os quais se desenrolará o evento.

Modalidades de participação

  • Comunicações orais
  • Sessões de pôsteres
  • Sessões audiovisuais

Eixos temáticos

Linguagens audiovisuais: papel da música na construção de um padrão de gosto latino-americano

Coordenação geral: Guilherme Maia e Theophilo Augusto Pinto

O cinema musical foi protagonista da história do cinema em vários países do mundo durante mais de 30 anos, a partir do estabelecimento do padrão estável do filme com imagem e som em sincronismo até meados dos anos 1960. Na América Latina, em países como Brasil, Argentina e México, os musicais de ficção ocuparam uma posição chave na matriz estratégica da implantação da indústria de filmes neste período.Também foi o rádio que, até a década de 1950, pelo menos, teve o maior poder de penetração. A canção composta em língua castelhana teve forte presença e manteve, igualmente, uma conexão direta com o México e Cuba, mas articulada com a indústria cultural estadunidense, materializada na forma do patrocínio que alguns programas recebiam e nos personagens que criavam. Este eixo temático acolherá propostas que tenham como tema o trânsito da música dos países hispânicos em filmes brasileiros, as reverberações da música brasileira em países da América Latina e nas demais cinematografias mundiais,  trabalhos sobre produções brasileiras inspiradas em temáticas latino-americanas e hispano-americanas que tenham tido impacto no exterior, assim como sobre a repercussão na cultura brasileira das gravações fonográficas de trilhas sonoras e de filmes com músicos e cantores-atores hispanohablantes.

Modernidades a Media Luz. Aproximações, percursos e disjunções da cultura brasileira e suas “latinidades conexas

Coordenação geral: Simone Luci Pereira e Maria Gabriela S. M. C. Marinho

Este eixo temático procura englobar propostas de trabalho em que  se apresentem análises sobre as relações culturais entre Brasil e América Latina que  chamaríamos provisoriamente de “latinidades conexas”: a música, dramaturgia e visualidade, impressos, rádio, televisão, cinema no largo período compreendido entre 1930 e 1970, particularmente, considerando as mudanças de cunho político e tecnológico que incidiram, ao longo desses anos. Quais as conexões que se estabeleceram entre o Brasil  e os países envolvidos e como as “influências recíprocas” se amalgamaram? Pretende-se, portanto, identificar e analisar de que forma  se estabeleceram circuitos  nos quais as produções culturais  e  o  modus operandi  de países da América Latina se interconectaram, incorporando práticas, discursos e trejeitos.

A estética de língua castelhana: Memória, nomadismo, desconstruindo as fronteiras da canção.

Coordenação: Heloísa de A. Duarte Valente e Isabel Porto Nogueira

As músicas de língua castelhana, dentre as quais o bolero figura como gênero musical mais representativo teve presença marcante nas décadas de 1930 a 1960. Constituiu marcos de sustentação de um processo de consolidação de memória e “nomadismo” (Zumthor), na paisagem sonora e cultural brasileira. Nesse processo, tanto o bolero como outros gêneros musicais, romperam fronteiras, abrindo possibilidades para apropriações múltiplas. Este eixo temático acolherá propostas de trabalho que abordem os repertórios musicais, tendo em conta os processos de nomadismo, territorialização, memória e esquecimento, respondendo a questões como: Em que circunstâncias surgem as versões “nômades”? Como são tratados os elementos musicais e extramusicais (letra, na canção, performance)? Que componentes de imaginário social essas obras carregam? Como e porque ocorre a ressemantização de antigos sucessos, reconvertidos como retrô, vintage ou outras designações? Como se constroem e reconfiguram as relações entre gêneros musicais e representações de gênero?

Identidade latino-americana da música contemporânea: trajetória, influências estéticas e ideológicas no Brasil

Coordenação:  Anselmo Guerra e Juliano de Oliveira

A partir de fins da década de 1950, compositores, pesquisadores e músicos de origem latino-americana e hispânica atuaram no Brasil trazendo a estética musical eletroacústica. Provenientes de países como Argentina, Uruguai, como os casos notáveis de Eduardo Bértola, Conrado Silva, Coriún Aharonián, envolvidos no meio acadêmico ou em grupos como o Núcleo Música Nova e oficinas como dos Cursos Latino-americanos de Música Contemporânea. Esse eixo temático pretende resgatar a memória dessas influências nesse contexto estético e levantar discussões teóricas sobre uma possível identidade estética latino-americana e seu legado na cultura brasileira.

Organização

Coordenação geral

Heloísa de A. Duarte Valente
Simone Luci Pereira
Ricardo Santhiago
Juliano de Oliveira
Luiz Fukushiro

Organizadores convidados

Anselmo Guerra (UFG)
Guilherme Maia (UFBA)
Isabel Porto Nogueira (UFRGRS)
Maria Gabriela Marinho (UFSBC)
Theophilo A. Pinto (FEBASP)

Realização

Centro de Estudos em Música e Mídia (MusiMid)

Apoio

Programa de Pós-Graduação em Cultura Midiática (UNIP)
Programa de Pós-Graduação em Música (USP)