Tudo é Brasil? A conformação de um cânone musical brasileiro nas listas de melhores álbuns de 2015 e 2019 em três veículos na internet

The conformation of a Brazilian musical canon in the lists of best albums of 2015 and 2019 in three vehicles on the internet

Autores

  • Giovanni de Sousa Vellozo Universidade do Estado de Santa Catarina
  • João Paulo Mallmann Universidade Federal de Santa Catarina
  • Valci Regina Mousquer Zuculoto Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

música, jornalismo musical, listas, melhores álbuns

Resumo

O conceito de “qualidade” na música popular se serve de vários referenciais, os quais, aplicados, podem evidenciar alguns padrões nas análises de críticos em veículos jornalísticos, como a invisibilização de artistas e estilos musicais devido à sua origem geográfica, gênero musical e espaço midiático. O presente artigo propõe-se a uma análise documental dos rankings de melhores álbuns brasileiros nos anos de 2015 e 2019 nos portais Rolling Stone Brasil, Miojo Indie e Tenho Mais Discos que Amigos, levando em conta a pluralidade de estilos musicais e os locais de origem dos artistas dos álbuns para depreender e discutir o possível cânone artístico presente como referencial das listas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aiex, Tony, ed. 2015. “Os 50 melhores discos nacionais de 2015”. Tenho Mais Discos Que Amigos. Accessed January 14, 2021. https://www.tenhomaisdiscosqueamigos.com/2015/12/15/os-50-melhores-discos-nacionais-de-2015/.

Aiex, Tony, ed. 2019. “Os 50 Melhores Discos Nacionais de 2019”. Tenho Mais Discos Que Amigos. Accessed January 14, 2021. https://www.tenhomaisdiscosqueamigos.com/2019/12/13/50-melhores-discos-nacionais-2019/.

Albuquerque, Gabriel. 2019. “Como a 'pisadinha' do Nordeste virou fenômeno da música popular”. UOL TAB. Accessed January 14, 2021. https://tab.uol.com.br/noticias/redacao/2019/12/21/como-a-pisadinha-do-nordeste-virou-o-novo-fenomeno-da-musica-popular.htm.

Albuquerque, Gabriel. 2017. “Os discos favoritos de 2017 — o volume morto”. o volume morto. Accessed January 14, 2021. http://volumemorto.com.br/os-discos-favoritos-de-2017/.

Alonso, Gustavo. 2011. “Cowboys do Asfalto: Música Sertaneja e Modernização Brasileira”. PhD thesis, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Antunes, Pedro. 2019. “Os 30 discos brasileiros de 2019 que você deveria ter ouvido, segundo a Rolling Stone Brasil”. Rolling Stone Brasil. Accessed January 14, 2021. https://rollingstone.uol.com.br/noticia/os-30-melhores-discos-brasileiros-de-2019-segundo-rolling-stone-brasil/.

Araújo, Paulo Cesar. 2002. “Eu não sou cachorro, não: música popular cafona e ditadura militar”. Rio de Janeiro: Record.

Barbosa, Marco. 2019. “Como fazer sucesso nas rádios brasileiras: entendeu ou quer que eu faça um infográfico (edição 2019)?”. Telhado de Vidro. Accessed January 08, 2021. https://medium.com/telhado-de-vidro/como-fazer-sucesso-nas-r%C3%A1dios-brasileiras-entendeu-ou-quer-que-eu-fa%C3%A7a-um-infogr%C3%A1fico-edi%C3%A7%C3%A3o-7879e14ad77b.

Barreto Lima, Mariana Mont’Alverne. 2013. “O específico mercado brasileiro de música gravada e a nova economia musical mundial”. Novos Rumos 50, no. 01. https://doi.org/10.36311/0102-5864.2013.v50n1.3445.

Boscariol, Renan Amabile. 2017. “Região e regionalização no brasil: uma análise segundo os resultados do índice de desenvolvimento humano municipal (IDHM)”. In Territórios em Números: insumos para políticas públicas a partir da análise do IDHM e do IVS de municípios e Unidades da Federação brasileira, edited by Bárbara Oliveira Marguti, Marco Aurélio Costa and Carlos Vinícius da Silva. Brasília: IPEA. https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/170828_territorios_em_numeros_1.pdf.

Bourdieu, Pierre. 2013. “Capital simbólico e classes sociais”. Novos estud. - CEBRAP, no. 96: 105-115. https://doi.org/10.1590/S0101-33002013000200008.

Cetic.br. n.d. “TIC Domicílios – 2019”. Accessed February 26, 2021. https://cetic.br/pt/pesquisa/domicilios/indicadores/.

Cymrot, Danilo. 2011. “A criminalização do funk sob a perspectiva da teoria crítica”. PhD thesis, Universidade de São Paulo.

Deezer. 2020. “Over half admit to listening to less albums in last five years”. Accessed January 08, 2021. https://www.deezer-blog.com/press/over-half-admit-to-listening-to-less-albums-in-last-five-years/.

Dias, Tiago. 2020. “Ninguém mais ouve um álbum inteiro, só o brasileiro. ‘Culpa’ é do sertanejo”. UOL TAB. Accessed January 08, 2021. https://tab.uol.com.br/noticias/redacao/2020/03/03/brasileiro-ainda-ouve-album-na-integra---e-isso-explica-dominacao-sertaneja.htm.

Facchi, Cleber. 2016. “Os 50 Melhores Discos Nacionais de 2015”. Miojo Indie. Accessed January 14, 2021. http://miojoindie.com.br/os-50-melhores-discos-nacionais-de-2015/.

Facchi, Cleber. 2019. “Os 50 Melhores Discos Brasileiros de 2019”. Miojo Indie. Accessed January 14, 2021. http://miojoindie.com.br/os-50-melhores-discos-brasileiros-de-2019/.

Folha de S. Paulo. 2016. “Das 100 músicas mais tocadas nas rádios em 2015, 74 são sertanejas”. Accessed January 08, 2021. https://m.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/01/1725567-das-100-musicas-mais-tocadas-nas-radios-em-2015-74-sao-sertanejas.shtml.

González, Juan Pablo González. 2016. Pensando a Música a Partir da América Latina. São Paulo: Letra e Voz.

Iazzetta, Fernando. 2009. Música e Mediação Tecnológica. São Paulo: Editora Perspectiva.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2020. “Estimativas da População”. Accessed January 10, 2021. https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?=&t=resultados.

Janotti Junior, Jeder and Nogueira, Bruno Pedrosa. 2010. Um Museu de Grandes Novidades: crítica musical e jornalismo cultural em tempos de internet. Rio de Janeiro: XIX Encontro da Compós. Accessed January 10, 2021. http://compos.com.puc-rio.br/media/gt11_jeder_janotti_bruno_nogueira.pdf.

Machado, Cacá. 2015. “Entre o passado e o futuro das coleções e acervos de música no Brasil”. Revista de História, no. 173: 457-484. https://www.scielo.br/pdf/rh/n173/2316-9141-rh-2015_100876.pdf.

Melo, José Marques and Assis, Francisco de. 2016. “Gêneros e formatos jornalísticos: um modelo classificatório”. Intercom Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. Accessed February 25, 2021. https://www.scielo.br/pdf/interc/v39n1/1809-5844-interc-39-1-0039.pdf.

Moreira, Sonia Virgínia. 2005. “Análise documental como método e como técnica”. In Duarte, Jorge e Barros, Antonio (orgs.). 2009. Métodos e técnicas da pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas.

Nogueira, Monique Andries. 2014. “Adorno e os tipos de comportamento musical: Atualidade e limites de uma categorização”. Revista Inter-Ação 39, no. 2: 297-210. https://doi.org/10.5216/ia.v39i2.31709.

Ortega, Rodrigo. 2018. “Streaming à brasileira: 'Spotify do arrocha' vira fábrica de hits no Nordeste e antecipa sucessos nacionais”. Accessed January 08, 2021. https://g1.globo.com/pop-arte/musica/noticia/2018/08/29/streaming-a-brasileira-spotify-do-arrocha-vira-fabrica-de-hits-no-nordeste-e-antecipa-sucessos-nacionais.ghtml.

Pires, Diogo Manoel Simões and Reichelt, Valesca Persch. 2012. “O Novo Paradigma do Mercado Fonográfico e a Mudança no Core Business dos Principais Stakeholders desta Indústria”. XXXVI Encontro da ANPAD. Accessed January 08, 2021. http://www.anpad.org.br/admin/pdf/2012_ESO2201.pdf.

Rolling Stone Brasil. 2015. “Melhores Álbuns Nacionais de 2015”. Accessed January 14, 2021. https://web.archive.org/web/20160205132043/https://rollingstone.uol.com.br/galeria/os-melhores-albuns-de-2015/.

Sá, Simone Pereira de. “Cenas Musicais, Sensibilidades, Afetos e Cidades”. In Comunicação e Estudos Culturais, edited by Itânia Gomes and Jeder Janotti Jr., 147-161. Salvador: Edufba.

Samuelson, Kate. 2016. “Americans Listening to Playlists Over Albums, Study Finds”. Accessed January 08, 2021. https://time.com/4505600/playlists-albums-loop-music-business/.

Silva, Marcos Paulo da and Jeronymo, Raquel de Souza. “Uma análise crítica dos ‘valores-notícia de construção’: contribuições da retórica e dos estudos de enquadramento para problematização do conceito”. 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Accessed February 25, 2021. https://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-2511-1.pdf.

Sterne, Jonathan. 2003. The Audible Past: Cultural Origins of Sound Reproduction. Durham: Duke University Press.

Straw, Will. 2012. “Entrevista – Will Straw e a importância da ideia de cenas musicais nos estudos de música e comunicação”. Interview by Jeder Janotti Jr. E-compós, Brasília, v.15, n.2, maio/ago. Accessed January 14, 2021. https://e-compos.org.br/e-compos/article/view/812.

Straw, Will. 2016. “Scenes and Sensibilities”. Revista E-Compós, n0. 6: 1-16, ago. 2006. https://www.e-compos.org.br/e-compos/article/view/83.

Tosta Dias, Márcia. 2000. Os Donos Da Voz: Indústria Fonográfica no Brasil. São Paulo: Boitempo.

Trotta, Felipe. 2013. “Cenas Musicais e Anglofonia: sobre os limites da noção de cena no contexto brasileiro”. In Cenas Musicais, edited by Jeder Janotti Jr. and Simone Pereira Sá. São Paulo: Livraria da Ana.

Trotta, Felipe. 2007. “Produção Cultural e Qualidade Estética: o caso da música popular”. IX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação da Região Nordeste – Salvador – BA. Accessed January 10, 2021. http://www.intercom.org.br/papers/regionais/nordeste2007/resumos/R0314-1.pdf.

Publicado

2021-05-27

Como Citar

de Sousa Vellozo, G., Mallmann, J. P., & Regina Mousquer Zuculoto, V. (2021). Tudo é Brasil? A conformação de um cânone musical brasileiro nas listas de melhores álbuns de 2015 e 2019 em três veículos na internet: The conformation of a Brazilian musical canon in the lists of best albums of 2015 and 2019 in three vehicles on the internet. MusiMid: Revista Brasileira De Estudos Em Música E Mídia, 2(1), 95-120. Recuperado de http://musimid.mus.br/revistamusimid/index.php/musimid/article/view/90

Edição

Seção

Artigos