A música do filme e a experiência musical africana: alguns comentários sobre um trabalho em andamento

Autores

  • Andrew Lawrence Kaye
  • Everaldo Asevedo PósCom/UFBA
  • Morgana Gama PósCom/UFBA

Palavras-chave:

Colonialismo, África, Tópicos, Cinema Ocidental, Música para Cinema

Resumo

Guerreiros zulus, caçadores brancos, pinturas de guerra, tambores obsessivos... Esses são alguns dos tópicos usados na produção cinematográfica ocidental ao longo do século XX que deu origem ao imaginário africano na sociedade ocidental. A representação fílmica (incluindo longas-metragens, documentários ou curtas-metragens) provou ser um veículo fundamental para transmitir aqueles topoi africanos, que, na verdade, aludem à África subsaariana. Por meio de uma análise detalhada de títulos como No Oeste de Zanzibar (West of Zanzibar, 1928), Atavismo (Men of two worlds,1946) ou Borom Sarret (1963), este artigo examina o uso de termos como “canibal” ou “música da selva” que, muitas vezes, aparecem como categorias na publicação de partituras do primeiro cinema. O artigo visa elucidar as maneiras pelas quais a música tem contribuído para criar um conceito de “o africano” na sociedade ocidental contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Everaldo Asevedo, PósCom/UFBA

Everaldo Asevedo Mattos é Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia, onde defendeu dissertação intitulada “Sexualidade e heroísmo no cinema gay de Karim Aïnouz: as jornadas dos protagonistas de Madame Satã e Praia do Futuro”, Bacharel em Artes, com concentração em Cinema e Audiovisual, da mesma universidade e Bacharel em Direito pela Universidade Católica do Salvador. Após anos de atuação como coordenador/gerente jurídico de empresas na Bahia e como professor de disciplinas de Legislação aplicada em cursos tecnológicos da UNIJORGE, passou a dedicar-se integralmente à formação em Cinema e Audiovisual. Atuou como estagiário do Coletivo de Audiovisual do Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos, na UFBA, e da TêmDendê Produções e integrou a equipe de pesquisadores do Laboratório Audiovisual que desenvolveu e publicou o projeto “Audiovisual Baiano: pesquisa e análise de mercado”, contemplado pelo Fundo de Cultura do Estado da Bahia no ano de 2016. Atualmente, é pesquisador do Observatório do Audiovisual Baiano, projeto financiado pelo Edital Setorial de Audiovisual 2019, com apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda, Fundação Cultural do Estado da Bahia e Secretaria de Cultura da Bahia, e do Laboratório de Análise Fílmica, grupo de pesquisa ligado à Faculdade de Comunicação da UFBA, e integra a equipe do Laboratório Audiovisual responsável pela produção do NordesteLAB. No ano de 2017, foi assistente de produção do NordesteLAB, dando suporte à realização das rodadas de negócios, assumindo a coordenação destas rodadas em 2018.

Morgana Gama, PósCom/UFBA

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia e membro do Laboratório de Análise Fílmica (LAF).

Referências

Barlet, Olivier. 1996. Les Cinemas d'Afrique Noire: Le Regard en Question. Paris: L’Harmattan.

Cameron, Kenneth. 1994. Africa on Film: Beyond Black and White. New York: Continuum.

Davis, Peter. 1996. In Darkest Hollywood: Exploring the Jungles of Cinema’s South Africa. Athens: Ohio University Press.

Diawara, Manthia. 1992. African Cinema: Politics & Culture. Bloomington: Indiana University Press.

Gugler, Josef. 2003. African Film: re-imagining a continent. Bloomington: Indiana University Press.

Haynes, Jonathan (ed). 2000. Nigerian Video Films. Revised and expanded edition. Athens: Ohio University Press.

Henderson, Clara. 2001. “When hearts beat like native drums: Music and the sexual dimensions of the notions of savage and civilized in Tarzan and His Mate, 1934”. Africa Today, vol. 48 (4): 90-124.

Lindfors, Bernth. 1996. “Hottentot, Bushman, Kaffir: Taxonomic Tendencies in Nineteenth- Century Racial Iconography,” Nordic Journal of African Studies 5(2):1-28.

Marks, Martin. 1997. Music and the Silent Film. New York: Oxford University Press.

Rapée, Erno. 1925. Encyclopedia of Music for Pictures. New York: 1925 (Reprint edition, 1970, New York: Arno Press).

Ukadike, Nwachukwu Frank. 1994. Black African Cinema. Berkeley: University of California Press.

Publicado

2021-02-28

Como Citar

Lawrence Kaye, A., Asevedo, E., & Gama, M. (2021). A música do filme e a experiência musical africana: alguns comentários sobre um trabalho em andamento. MusiMid: Revista Brasileira De Estudos Em Música E Mídia, 1(3), 165-186. Recuperado de http://musimid.mus.br/revistamusimid/index.php/musimid/article/view/67