“Sorrir é como nascer de novo”: A música no documentário No ritmo do Antonov (2014) de hajooj kuka

Autores

Palavras-chave:

Música; Canção popular; Documentário, Cinemas africanos.

Resumo

A música é de fundamental importância na cultura africana porque é uma forma de celebrar, festejar, comemorar que fazem parte da realidade diária temporal e espiritual, o que em África pode ser percebido como indissociável e inseparável do cotidiano. Por esta razão, o presente artigo pretende analisar a música, o ritmo, o som e a dança como tendo um papel central na trama e a música como protagonista cultural, tradicional, crítica e rítmica, como no documentário No ritmo do Antonov (Sudão/África do Sul, 2014) de hajooj kuka, servindo de marcadora de ancestralidades, vivências, territorialidades e valores comunitários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jusciele Oliveira, Centro de Investigação em Artes e Comunicação - CIAC/UALG

ossui graduação em Letras Vernáculas pela Universidade Federal da Bahia (2006). Especialização em Metodologia do Ensino de História e Cultura Afro-Brasileiras e Docência do Ensino Superior (2010). Mestre em Literatura e Cultura, pela Universidade Federal da Bahia (2013), com a dissertação sob o título "Tempos de Paz e Guerra: dilemas da contemporaneidade no filme Nha fala de Flora Gomes". Doutora em Comunicação, Cultura e Artes pelo Centro de Investigação em Artes e Comunicação da Universidade do Algarve, em Portugal (2018), com bolsa da CAPES Doutorado Pleno no Exterior, com a tese; "Precisamos vestirmo-nos com a luz negra": uma análise autoral nos cinemas africanos - o caso Flora Gomes. Tem textos publicados nacional e internacionalmente sobre literatura, cinema cultura africanas, notadamente, sobre a Guiné-Bissau e Flora Gomes. Atualmente, é investigadora colaboradora do Centro de Investigação em Artes e Comunicação (CIAC/Ualg- Portugal) e pesquisadora do Laboratório de Análise Fílmica, da Universidade Federal da Bahia  (Facom/Ufba).

Lucas Ravazzano, Professor da UNIFTC Salvador

Possui graduação em Comunicação Social, habilitação em Relações Públicas pela Universidade Católica do Salvador (2009), é mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia e Doutor pelo POSCOM/UFBA. Atualmente é professor dos cursos de Comunicação da FTC/Salvador

Referências

Altman, Rick. 1992. Sound Theory, Sound Practice. Nova Iorque: Routledge.

Cabral, Amílcar. 1974. Guiné-Bissau: nação africana forjada na luta. Trad. Manuel L. Martins. Lisboa: Nova Aurora. (Textos Amílcar Cabral, n.1).

Chion, Michel. 2011. A Audiovisão: Som e Imagem no Cinema. Lisboa: Texto e Grafia.

Connell, John; Gibson, Chris. 2012. Sound track: Popular music, Identity and Place. Routledge.

Depetris-Chauvin, I. 2016. “Ter saudade até que é bom. Música y afectividad en dos documentales brasileños recientes”. In: 452ºF, n. 14, Jan. 2016, p. 45-68.

Gorbman, C. 2007. “Auteur music”. In: Goldmark, D.; Kramer, L.; Leppert, R. Beyond the soundtrack: representing music in cinema. Berkeley: University of California Press.

Gorbman, Claudia. 1987. Unheard Melodies. Bloomington: Indiana University Press.

Hennebelle, Guy. 1978. Os cinemas nacionais contra Hollywood. trad. Paulo Vidal; Julieta Viriato de Medeiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Hobsbawm, Eric. 1990. A Invenção das Tradições. Rio de Janeiro: Paz e. Terra.

Inglis, Ian. 2005. “Music, Masculinity & Membership”. In: Pop Fiction: The Song in the Cinema. Bristol: Intellect Books.

Kassabian, A. 2001. Hearing film: tracking identifications in contemporary Hollywood film music. Nova Iorque; Londres: Routledge.

Leal-Riesco, Beatriz. 2011. The role of music in African cinema. In: Afroscreen. 16 May 2011. http://www.buala.org/en/afroscreen/the-role-of-music-in-african-cinema.

Leal-Riesco, Beatriz. 2012. “A caminho de um amadurecimento na utilização da música no cinema africano: Sembene, Sissako e Sené Absa”. In: Bamba, Mahomed; Meleiro, Alessandra (orgs). Filmes da África e da diáspora: objetos de discursos. Salvador: EDUFBa, p. 101-128.

Maia, Guilherme; Ravazzano, Lucas. 2015. “O Cinema Musical na América Latina: Uma Cartografia”. In: Revista Significação, Campinas, v.42, n. 44, p. 212-231.

Miranda, S. R. 2011. “Música, cinema e a constituição do campo teórico”. In: Revista Contracampo, Niterói, n.23, dezembro de 2011, p. 160-70.

No Ritmo do Antonov. 2014. Direção: hajooj kuka. Sudão, África do Sul. Documentário. 68 min.

Oliveira, Jusciele C A de. 2013. “A musicalidade africana narra vida de Vita na comédia-musical Nha fala, do cineasta Flora Gomes”. In: Revista Mulemba, Rio de Janeiro: UFRJ, v.1, n.9, p.84-103.

Piedras, P. e Dufays, S. 2018. Conozco la canción: melodias populares en los cines posclásicos de América Latina y Europa. Buenos Aires: Libraria.

Ukadike, Nwachukwu Frank. 1994. Black African cinema. Los Angeles/USA: University of California Press.

Publicado

2021-01-09

Como Citar

Oliveira, J., & Ravazzano, L. (2021). “Sorrir é como nascer de novo”: A música no documentário No ritmo do Antonov (2014) de hajooj kuka. MusiMid: Revista Brasileira De Estudos Em Música E Mídia, 1(3), 153-164. Recuperado de http://musimid.mus.br/revistamusimid/index.php/musimid/article/view/65