Choro em Brasília: Resistência, enfrentamento da ordem estabelecida e construção de um “lugar de memória”

Autores

  • Magda de Miranda Clímaco Universidade Federal de Goiás

Palavras-chave:

choro, resistência, lugar de memória

Resumo

O gênero musical choro e suas práticas chegaram a Brasília nos primeiros anos de sua fundação, na década de 1960. A fundamentação teórica em Certeau, Halbwachs, Pollack e Nora, junto a dados colhidos através da análise de relatos de chorões, possibilitou identificar, em três momentos da trajetória deste gênero musical no cenário brasiliense, processos de construção de uma Memória Coletiva forjadores de um “lugar da memória”. Processos que revelam não só a história da prática do choro na capital federal, uma cidade modernista, mas também as suas implicações com circunstâncias de resistência e enfrentamento da ordem estabelecida, com condições que permitiram a sua sobrevivência e força na cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Certeau, M. 2002. “A invenção do cotidiano”. Vol.1. Petrópolis/RJ: Vozes.

Clímaco, Magda M. 2008. Alegres Dias Chorões: o choro como expressão musical no cotidiano de Brasília”. Tese de Doutorado. Instituto de Ciências Humanas – PPGH. Brasília Universidade de Brasília,

Damatta, Roberto. 1997. Carnavais, malandros e heróis. Rio de Janeiro: Ed. Rocco.

Diehl, A. 2002. Cultura Historiográfica. Memória, Identidade e Representação. São Paulo: EDUSC.

García Canclini, Néstor. 2011. Culturas Híbridas: Estratégias para Entrar e sair da Modernidade. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo.

Halbwachs, Maurice. 1990. Memória coletiva. São Paulo: Vértice.

___. 2006. Memória Coletiva. São Paulo: Centauro.

Hall, Stuart. 2014. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina.

Harvey, David. 2013. A condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola.

Holston, James. 1994. “A cidade modernista – uma crítica de Brasília e a sua utopia”. São Paulo: Companhia das Letras.

Nora, Pierre. 1997. Les lieux de mémoire, vol, 2. Paris: Gallimard.

Nunes, Brasilmar. F. 2004. Brasília – a fantasia corporificada. Brasília: Paralelo 15.

Pastore, José. 1969. Brasília – a cidade e o homem. Brasília: Cia. Editora Nacional; Editora da USP.

Pinto, A. G. [1936]1978. O Choro – reminiscências dos chorões antigos. Rio de Janeiro: Funarte. Edição Fac-Similar.

Pollack, Michael. 1992. “Memória e Identidade Social”. In: Estudos Históricos, 200-212. Rio de Janeiro, Vol.5 n. 10

Rios, Fábio. 2013. “Memória coletiva e lembranças individuais a partir das perspectivas de Maurice Halbwachs, Michael Pollack e Beatriz Sarlo”, 1-22. In . Intratextos. Rio de Janeiro

Sousa, A. 2004. “Um pouco de história – Odette Ernest Dias, uma brasileira com sotaque francês”. Música em Brasília. Informativo da Livraria Musimed. Brasília. Ano 1. N. 4. Setembro.

Publicado

2020-09-20

Como Citar

de Miranda Clímaco, M. (2020). Choro em Brasília: Resistência, enfrentamento da ordem estabelecida e construção de um “lugar de memória”. MusiMid: Revista Brasileira De Estudos Em Música E Mídia, 1(2), 37-51. Recuperado de http://musimid.mus.br/revistamusimid/index.php/musimid/article/view/50