MÚSICA, SENSIBILIDADE ESTÉTICA E CONSUMO

A música pode considerar-se como a linguagem entre as mais presentes na vida cotidiana. Desde o surgimento da mediatização técnica, seu consumo só aumentou, tornando-se um dos interesses mais relevantes da indústria do entretenimento. Pelos alto-falantes a paisagem sonora é permeada por signos sonoros, cuja difusão e quase sempre ditada pelas grandes corporações (companhias fonográficas, serviços de streaming) nas diversas plataformas midiáticas. Em que medida a escuta desse repertório interfere nos hábitos de escuta e no processo cognitivo, as formas de atribuição de sentido concebidas pelas mediações culturais guiam esta linha de pesquisa.