CANÇÃO: MEMÓRIA NOMADISMO, SUBJETIVIDADE

A canção, não importando sua natureza, é um compósito de música e letra. Consideramos que a canção é uma das formas de expressão entre as constantes e estáveis, na cultura midiática. Considere-se a canção uma linguagem híbrida, que agrega a linguagem verbal (letra) e música, não importando a natureza de ambas. Se a música constitui linguagem autorreferente (apesar da nossa tendência a lhe impor sentidos…), a letra, de outra parte, expressa, denotativa ou conotativamente, uma intenção, uma mensagem específica, que varia de acordo com a natureza da canção. Tanto a música quanto a letra passam por transformações ao longo do tempo e também no espaço (devido à capacidade de movência das obras), gerando ressignificações, que se dão pelo processo de nomadismo (cf. Zumthor). A partir de uma abordagem de orientação semiótica, esta linha tem como meta estudar, através dos diferentes processos de nomadismo da canção, como se dão as oscilações nas formas de sensibilidade estética e possíveis implicações na recepção.