ANÁLISE SEMIÓTICA DA MÚSICA MEDIATIZADA

Através do estudo das diversas abordagens semióticas já difundidas ou em desenvolvimento, busca-se reunir elementos que permitam compreender todas as circunstâncias ligadas à composição, performance e difusão da música nas mídias, de modo a delinear as características particulares da música cuja existência se dá em forma mediatizada tecnicamente: aquela para ser escutada pelos alto-falantes, ou mesmo a que foi gerada pelas máquinas.
Esta linha se ocupa, em especial, do universo simbólico dos diversos gêneros musicais, com destaque para a canção, em virtude de sua forte presença na cultura. Dada a sua capacidade de movência e os processos de nomadismo, bem como sua estabilização como signos de natureza simbólica, a linguagem musical favorece a elaboração de construções semânticas, ao gerar signos duradouros (musemas; tópicas musicais), de extrema relevância para os estudos semióticos da cultura. Também são interesses desta linha delinear os processos de transmutação no tempo e no espaço, as relações entre corpo e performance, mídia e tecnologia, enquanto elementos de (re)composição.